Como superar a crise econômica? Em debate, Veredas apresenta caminhos possíveis frente à pandemia

A Resposta Rápida* “Políticas Anticíclicas em Contexto de Crise” fornece evidências para a gestão pública, sugerindo medidas econômicas para o estado de São Paulo atenuar a crise

No Dia do Economista, comemorado nesta quinta (13/08), o Instituto Veredas foi convidado para participar da live “Plano de retomada econômica: políticas públicas anticíclicas para governos subnacionais”, realizada pelo Conselho Federal de Economia (Cofecon). Na ocasião, compartilhou os achados de uma resposta rápida sobre o tema, produzida para o Governo de São Paulo (SP), em março deste ano. A publicação traz caminhos possíveis para recuperação econômica em contexto de crise sanitária e econômica, podendo servir de referência para ações em outros estados e municípios pelo Brasil.

Davi Romão, diretor executivo adjunto do Veredas, explicou que a pandemia tem gerado um impacto grande na economia. “O momento tem sido brutal. Há um aumento do gasto público e queda na arrecadação. São tempos de muita tensão. Eles [governo de SP] precisavam de apoio para organizar essa literatura técnica acadêmica sobre o assunto, precisavam de orientações imediatamente para tomar decisões enquanto a epidemia se espalhava pelo Brasil”.

A publicação do Veredas, a partir da análise de inúmeras pesquisas na área, aponta caminhos para superação da crise econômica instaurada, que afeta principalmente a população mais vulnerabilizada do país. Empréstimos facilitados para pessoas físicas e empresas podem colaborar com a preservação de empregos e manutenção do poder de compra da população. Além disso, fornecer auxílios emergenciais, isenção fiscal e facilitar renegociação posterior de dívidas estão entre as medidas sugeridas pela publicação.

Desenvolvimento tecnológico, emprego e renda

Davi também trouxe para debate um fato estrutural, que envolve a baixa capacitação da população brasileira para atuar na área digital. “Precisamos de mais capacidade para operar serviços digitais para trazer pessoas que estão fora da economia, reinserindo-as diante do processo de renovação tecnológica. Uma parte da população está ficando para trás. É preciso capacitar e oferecer treinamento a essas pessoas”, disse, ressaltando que o momento de distanciamento social exigiu mais trabalhos na modalidade home office.

Utilizando-se das sugestões do Veredas, o Governo de São Paulo já implementou algumas ações como o fortalecimento de crédito para pequenos empreendedores e microempreendedores, além de produtores rurais e informais, chegando a um total de R$ 720 milhões em crédito, conforme a própria gestão estadual divulgou este mês. Também houve a doação de cestas básicas e o fortalecimento do Programa “Frente de trabalho”, que pratica a transferência de renda vinculada à oferta de qualificação profissional.

Eduardo Araújo, conselheiro do Cofecon responsável por mediar a live, afirmou que "trabalhar com evidências num momento em que governos estaduais e municípios elaboram planos de retomada econômica é fundamental". O mesmo foi dito por Otaviano Canuto, diretor do Center for Macroeconomics and Development: "A pandemia tem realçado a importância da ciência na tomada de decisões".

Porém, segundo ele, o país vive um contexto onde muitas vezes o debate político entra em polarização "que joga a ciência para segundo plano", problematizou. Otaviano classificou a pandemia no Brasil como “catástrofe”, devido à flexibilização das medidas de distanciamento, que potencializam a permanência da crise sanitária e, consequentemente, econômica. “É um fenômeno natural com impacto grande sobre a economia e as finanças. Em situação de catástrofe, o setor público é o segurador em última instância. Nossa região é o epicentro do coronavírus no mundo. Por isso os serviços estão sofrendo um impacto grande”.

Responsabilidade governamental

Fernando de Aquino, coordenador da Comissão de Política Econômica do Cofecon, explicou que as políticas anticíclicas são responsabilidade do governo e servem para "suavizar o ciclo", mas é necessário engajamento de outros setores. Para ele, medidas como a liberação do seguro desemprego para pessoas com trabalho suspenso ou jornada reduzida são ações fundamentais nesse período, além da oferta de crédito e auxílio emergencial.

"Há espaço para que os governos estaduais façam parcerias com setor privado”, propôs. Fernando defendeu também que a responsabilidade da retomada econômica deve ser conjunta, envolvendo todos os entes da federação, além das grandes empresas. “Espero que em outras pandemias a gente consiga dar respostas mais rápidas. A solução precisa ser mais ampla”.

Mas o que são políticas anticíclicas?

A economia é definida por especialistas em ciclos econômicos, alternando em períodos de ascensão e declínios. Políticas anticíclicas ou contracíclicas compõem um conjunto de ações governamentais voltadas a impedir ou minimizar os efeitos do ciclo econômico.

*Resposta Rápida Documento elaborado em prazos curtos, que apresentam os principais achados de pesquisas sobre determinado tema com objetivo de informar órgãos públicos e ONGs para que tomem decisões corretas em políticas públicas e intervenções sociais.

Ascom Instituto Veredas

Posts Recentes

Arquivo

Siga

  • face png

Instituto Veredas | Brasília | Brasil | 2020

  • Branca Ícone Instagram
  • Facebook - White Circle
  • Branca ícone do YouTube
  • Branca Ícone LinkedIn