Veredas lança almanaque reunindo ações em Políticas Informadas por Evidências que estão ajudando a gestão pública no Brasil

por Instituto Veredas

07 de jun de 2021

3 min de leitura

O ano de 2020 foi cheio de desafios para o mundo. Foram inúmeras vidas perdidas por conta da Covid-19, vimos o agravamento da crise social e econômica em todos os países, em especial, no Brasil, que já vivia um período difícil. Em meio a esse cenário de instabilidades, o Veredas não mediu esforços para contribuir com as gestões públicas a partir das Políticas Informadas por Evidências. Nesta quinta (27/05), a instituição torna público seu Almanaque 2020, narrando essa trajetória.

A publicação reúne as produções do ano passado. Só sobre o contexto da Covid-19, foram 15 publicações entre sínteses de evidências e respostas rápidas, em parceria com instituições nacionais e estrangeiras, que se dedicaram a trazer orientações para governos em várias partes do mundo. 

“A parceria com a Knowledge to Policy Center (K2P), da Universidade Americana de Beirute, por meio do Partners for Evidence-driven Rapid Learning in Social Systems (PERLSS), foi muito importante nesse momento. Trabalhamos envolvendo instituições que atuam com Evidências em 15 países”, afirmou Laura Boeira, diretora da instituição. Outro ponto importante foi a entrada na rede International Initiative for Impact Evaluation (3ie), que inclui mais de 30 organizações de dezenas de países. 

Em 2020, o Veredas também publicou outros 21 materiais para gestores e gestoras aprimorarem a implementação de intervenções sociais e políticas públicas. “Foi a maior grade de publicações da história do Veredas”, disse Marcel Carvalho. Para se ter uma ideia, em 2019 assinamos sete publicações. Já em 2020, esse número subiu para 36. Todos os estudos estão disponíveis no site da instituição.

Os trabalhos foram desenvolvidos junto à Fundação Oswaldo Cruz, Fundação Arymax, B3 Social, Conselho Nacional de Justiça, Ministério da Saúde, Ministério Público do Rio de Janeiro, Laboratório de Gestão de Políticas Penais da Universidade de Brasília,  Instituto Terra, Trabalho e Cidadania, dentre outros inúmeros agentes diretos e indiretos. “Ficamos felizes em saber que, mesmo com tantos desafios para o mundo, o Veredas contribuiu para o avanço da Ciência, da Gestão Pública e da Sociedade ao longo do ano”, concluiu Davi Romão, diretor adjunto da instituição.

Para 2021, os desafios continuam. “Queremos fortalecer laços e desenvolver mais metodologias coletivas que possam potencializar a tomada de decisão na esfera pública e no terceiro setor. Com a Coalizão Brasileira pelas Evidências, pretendemos ampliar nosso trabalho em rede”, finalizou Vahíd Vahdat, diretor de projetos do Veredas. 

O que vem por aí?

Dezenas de instituições brasileiras que atuam na área das Políticas Informadas por Evidências (PIE) estiveram reunidas virtualmente em abril, na primeira reunião do coletivo intitulado inicialmente de Coalizão Brasileira pelas Evidências (CBE). O projeto é articulado pelo Instituto Veredas, Companhia de Planejamento do DF (Codeplan/DF), Evidências Express (Evex/Enap), Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) Brasília e pela plataforma Evipnet Brasil. A ideia é unir as instituições para que uma rede de compartilhamento de saberes e práticas seja construída, fortalecendo a cultura do uso de evidências para políticas públicas e intervenções sociais.

Outro projeto que em breve se tornará público é o Atlas das Juventudes, assinado pelo coletivo Em Movimento e do Pacto pelas Juventudes, espaço que reúne diversas ONGs que atuam em defesa das pautas desse segmento no Brasil. O Veredas foi responsável pela Síntese de Evidências para Políticas Públicas da publicação. A ideia é entender as demandas das juventudes brasileira e quais políticas públicas são capazes de dar conta dessas necessidades, consolidando diagnósticos.

Acesse o Almanaque 2020 na íntegra

Ascom Instituto Veredas

Compartilhe: