Veredas e parceiros criam Coalizão Brasileira pelas Evidências para aprimorar políticas no país

por Instituto Veredas

08 de abr de 2021

2 min de leitura

#CBE #coalizão #evidências #PIE br

Cerca de 40 instituições brasileiras que atuam na área das Políticas Informadas por Evidências (PIE) estiveram reunidas virtualmente na última quinta (08/04), na primeira reunião do coletivo intitulado inicialmente de Coalizão Brasileira pelas Evidências (CBE). O projeto é articulado pelo Instituto Veredas, Companhia de Planejamento do DF (Codeplan/DF), Evidências Express (Evex/Enap), Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) Brasília e pela plataforma Evipnet Brasil. A ideia é unir as instituições para que uma rede de compartilhamento de saberes e práticas seja construída, fortalecendo a cultura do uso de evidências para políticas públicas e intervenções sociais.

A iniciativa é pioneira no Brasil, assemelhando-se a outras redes na área pelo mundo. Um primeiro mapeamento das organizações circulou em novembro de 2020, reunindo respostas de diferentes setores. O projeto tem “financiamento-semente”, como intitula a coalizão, do International Development Research Centre (IDRC), entidade vinculada ao governo canadense.

“Ao longo de 2021, vamos realizar webinários, chamadas públicas e criar uma plataforma para que tenhamos um grande repositório público que seja uma vitrine sobre evidências para gestores públicos, sociedade civil e pesquisadores”, explicou Laura Boeira, diretora do Veredas. Segundo ela, a sobreposição de esforços e a dificuldade em compartilhar diferentes métodos de Políticas Informadas por Evidências (PIE) podem isolar organizações que poderiam ter maior impacto se trabalhassem juntas. “Compartilhando nossos saberes, vamos fortalecer a cultura de evidências”, disse.


Troca de experiências

Durante a reunião, as instituições foram divididas em subgrupos para que apresentassem seus trabalhos e alinhassem entendimentos e desafios para a rede. Vahíd Shaikhzadeh Vahdat, diretor de projetos e articulação institucional do Veredas, após o debate em um dos grupos, afirmou que “a validade e a confiabilidade das evidências depende dos métodos usados. Precisamos acompanhar [as PIE] com olhar específico para cada lugar e contexto”. O diretor também afirmou que a CBE pretende fomentar um espaço de trocas de experiências que permitam o entendimento comum sobre métodos e protocolos da área.

Luciano Máximo, representante do Centro de Aprendizagem em Avaliação e Resultados para o Brasil e a África Lusófona (FGV Clear), acredita que os próximos passos da CBE são uma janela de oportunidade para “sensibilizar lideranças na esfera governamental para obtermos mais espaço na área”. O próximo encontro deve ocorrer em maio, definindo um cronograma de atuação da rede, que almeja tornar-se uma referência nacional sobre o tema.

Conheça as publicações do Veredas

Compartilhe: