Instituições apresentam propostas para enfrentamento ao estigma contra egressos do sistema prisional

por Instituto Veredas

30 de out de 2020

2 min de leitura

Políticas Informadas por Evidências políticas penais

Egressos do sistema prisional e suas famílias costumam vivenciar barreiras que os impedem de exercer sua cidadania plena, com dignidade e qualidade de vida. Para apontar caminhos e possibilidades a este segmento populacional, o Instituto Veredas, ao lado da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz Brasília) e do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), vão lançar na próxima terça (3/11), às 14h a Síntese de Evidências Enfrentando Estigma sobre Egressos do Sistema Prisional. O lançamento será pelo youtube do CNJ.

A síntese faz parte do conjunto de produtos de conhecimento lançado pelo Programa Fazendo Justiça, que apoia gestores na qualificação de intervenções sociais no campo penal. A síntese é um resumo das evidências de pesquisas globais e locais relevantes que foram avaliadas e organizadas em opções para o enfrentamento preconceito contra este grupo. Participarão do debate Laura Boeira, do Veredas, Luís Lanfredi, do CNJ, e Dandara Tinoco, do Instituto Igarapé. A mediação será de Melina Miranda, também do CNJ.

Segundo Laura, diretora do Veredas, “a ideia do documento é dar suporte às políticas e aos programas relacionados às pessoas egressas do sistema prisional e suas famílias no Brasil”. Após as pesquisas sobre políticas do gênero em diversas parte do mundo, o documento aponta como caminho cinco tipos de intervenções que tiveram eficácia na redução de preconceitos contra egressos e suas famílias. São elas: intervenções psicossociais, educativas, promoção de contato, grupos de apoio e ações de comunicação.

Laura explica que os impactos negativos do estigma contra pessoas egressas do sistema prisional e suas famílias podem afetar tanto o nível individual quanto comunitário, dificultando a reinserção social desse público e fragilizando vínculos sociais. “É fundamental termos atenção a esse tema. Devem ser pensadas ações do gênero para programas e políticas públicas país afora, sempre envolvendo a participação e a escuta ativa ao público envolvido”.

Para que serve uma Síntese de Evidências?

As sínteses de evidências são utilizadas para subsidiar o diálogo de políticas com os atores envolvidos, como gestores, trabalhadores, sociedade civil organizada e pesquisadores do sistema prisional, neste caso. Para sua elaboração, foram utilizados processos sistemáticos e transparentes de busca, extração e avaliação da qualidade de evidências.

Conheça a programação na íntegra com lançamento de todos os produtos de conhecimento do Programa Fazendo Justiça, uma parceria entre CNJ, Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud) e Departamento Penitenciário Nacional (Depen).

Leia a publicação na íntegra

Serviço

O quê: Lançamento da Síntese de Evidências Enfrentando o Estigma sobre Egressos do Sistema Prisional e Suas Famílias.
Quando: 3 de novembro, às 14h
Onde: Youtube do CNJ

Foto: Rádio Saara

Compartilhe: